Mary Leakey

Homenagem do Google com um doodle da Mary Leakey

Homenagem do Google com um doodle da Mary Leakey

Início da vida

mary leakyMary Douglas Nicol nasceu em 6 de fevereiro de 1913, em Londres, Inglaterra. Ela é mais conhecida por seu trabalho arqueológico com o marido Louis Leakey, incluindo suas descobertas de fósseis na África, que avançou na nossa compreensão das origens da humanidade. Era filha de um pintor que viajava o mundo retratando paisagens, e usou este talento para entrar no campo da arqueologia. Ela era a filha de um pintor de paisagens popular, Erskine Nicol, e Cecilia Frere. Quando criança, ela freqüentemente viajou para a França com seus pais. Lá, ela visitou um museu de pré-história e foi autorizado a participar de escavações arqueológicas onde encontrou as ferramentas de pedra antigas. Ela também visitou as cavernas franceses em Font de Guame e Mouthe La, que são famosos por suas pinturas pré-históricas. Quando ela tinha apenas 17 anos de idade, ela atuou como ilustradora em uma escavação na Inglaterra.

Marido e mulher: a equipe começa

casal LeakeyNa década de 1930, Mary Leakey foi convidada para ilustrar um livro intitulado Ancestrais de Adão (1934), de autoria de Louis Leakey SB, um arqueólogo e antropólogo. Eles se apaixonaram e mantiveram um romance, apesar de Louis estar casado à época. Eles se casaram em 1937, formando um dos casais mais conhecidos no ramo das ciências. O casal mudou-se para África, quando Louis embarcou em um projeto de escavação na Garganta de Olduvai, uma ravina íngreme no que hoje é a Tanzânia, no leste da África.

Primeira descoberta: “procônsul Africanus”

Mary Leakey fez sua primeira grande descoberta foi em 1948: Ela encontrou um fóssil de crânio parcial de um procônsul, um gênero de primatas fósseis que viveram no Mioceno africano, de 14 a 18 milhões de anos atrás. O procônsul é considerado um antropoide muito primitivo que já apresentava traços dos símios, como a ausência de cauda, mas ainda conservava alguns dos macacos, que mais tarde evoluiu para as duas espécies distintas. Sua descoberta foi verdadeiramente notável, o fóssil, acredita-se que tinha mais de 18 milhões de anos, foi a primeira espécie do gênero de primatas a serem descobertas da época  do Oligoceno.

‘Zinjanthropus boisei’ e ‘Homo habilis’

Zinjanthropus boisei

Zinjanthropus boisei (Australopithecus boisei)

Entre suas muitas realizações científicas, é creditado a Mary a descoberta do Zinjanthropus boisei (agora conhecido como Australopithecus boisei) em 1959, o Homo habilis, em 1960, e uma trilha surpreendentemente bem-preservada de 89 metros de comprimento dos primeiros pegadas humanas encontrada em Laetoli (1979). Estas pegadas foram datados de cerca de 3,6 milhões de anos e sua descoberta provou conclusivamente que nossos ancestrais naquele tempo  praticavam uma locomoção bípede. Mary e sua equipe continuaram a encontrar hominídeos importantes e fósseis de animais pré-históricos até a sua aposentadoria do trabalho de campo, em 1983.

Australopithecus boisei

Zinjanthropus boisei (Australopithecus boisei)

Homo habilis

Homo habilis

Em 1960, a equipe de Leakey fez sua próxima descoberta importante: fósseis de Homo habilis, uma espécie que se acredita ser entre 1,4 e 2,3 milhões de anos, e ter-se originado durante o período Pleistoceno Gelasiano. Seus achados também apresentou provas de que as espécies eram adeptos na fabricação de ferramentas de pedra.

Anos Finais e seu legado

Depois de Louis Leakey morreu em 1972, Maria continuou a pesquisa e busca por fósseis. A descoberta do rastro de pegadas em Laetoli, na Tanzânia, foi o primeiro na história da ciência para fornecer a evidência direta de atividade física por ancestrais simiescos da humanidade, alterando premissas anteriormente detidas a cerca de primatas.

Ao longo de sua carreira de décadas como arqueóloga, os projetos de Mary Leakey foram financiados em parte pela National Geographic Society.

Ela narrou suas experiências no livro de Olduvai Gorge, 1979: Minha busca por homem primitivo, bem como em sua autobiografia em 1984, Revelando o Passado.

Mary Leakey morreu em 9 de dezembro de 1996, em Nairobi, no Quênia. Ela teve três filhos (com seu marido, Louis Leakey): Richard, Jonathan e Felipe. Hoje, o trabalho de Mary Leakey continua, tanto através da Fundação Leakey e as gerações mais jovens da família Leakey: Richard Leakey, sua esposa, Meave, e sua filha, Louise, desempenham papéis ativos em continuar o legado da família.

TRadução: Profª Flávia Vasconcelos.

© 2013 A + E Networks. Todos os direitos reservados.

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s