Drogas: porque não usá-las!

Atenção! Os dados aqui apresentados servem para alertar os perigos que as drogas podem causar na vida de uma pessoa e das que convivem com estas. Por isso, tenhamos mais amor a nossa vida e não nos deixemos envolver por ilusões passageiras que não traz nenhum benefício.

Toxicodependências

Efeitos Específicos das Drogas

 A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou as drogas pelo seu grau de perigosidade, seguindo critérios como o maior ou menor perigo tóxico, a maior ou menor capacidade de provocar a dependência física, e a maior ou menor rapidez em que esta dependência se estabelece.

Assim, as drogas são classificadas em quatro grupos:

  • Grupo 1: Ópio e derivados (morfina, heroína, …);
  • Grupo 2: Barbitúricos e álcool;
  • Grupo 3: Cocaína e anfetaminas;
  • Grupo 4: LSD, canabinóides, tabaco, etc.

Nos quadros seguintes apresenta-se informação diversa relativa aos efeitos das drogas.

Caracterização das drogas segundo o perigo de provocar dependência física, psíquica e tolerância

Droga

Dependência física

Dependência psíquica

Tolerância

Tabaco

+

+ +

+

Canabinóides

+ +

+

LSD

+

Inalantes

+

+ +

+ + +

Álcool

+ + + +

+ + +

+ +

Benzodiazepinas

+

+ +

+

Anfetaminas

+ +

+ + +

+ + + +

Ecstasy

+

Cocaína

+ + + +

Heroína

+ + + +

+ + + +

+ + + +

Metadona

+ + +

+ + +

+ + +

Cafeína

+

+ +

+

Legenda:  inexistente (-);  ligeira (+);  média (++);  forte (+++);  muito forte (++++)

Nota: algumas drogas, quando consumidas de forma abusiva, embora levem o utilizador a fazer crescer os seus consumos, deixam progressivamente de fazer efeito mesmo com o aumento da dose: é o caso da cocaína, do ecstasy e, sobretudo, do LSD. No caso específico da cocaína é comum os seus utilizadores lembrarem-se saudosamente dos efeitos sentidos nas primeiras tomas, convertendo-se a sua dependência, de alguma forma, numa procura inglória da mesma “euforia” sentida no início.

Caracterização das drogas segundo a sintomatologia do síndrome de abstinência

Droga

Sintomas de abstinência

Opiáceos(ex.: heroína) Ansiedade e dispneia, mídriase (dilatação das pupilas), lacrimejo, rinorreia, calafrios, “pele de galinha”, tremores e convulsões, hipertensão, diarreia e vómitos com consequente desidratação que em casos raros e extremos poderá levar à morte.
Benzodiazepinas Insónia, desmaios, tremores e, em casos raros e extremos, febre, convulsões, delírios e coma.
Álcool Nos casos ligeiros: tremores.Nos casos graves: delirium tremens (delírios e alucinações, geralmente “visualização” de insectos nas paredes, tecto, etc.).
AnfetaminasCocaína Depressão (por vezes grave, com risco de suicídio), apatia, sonolência, dores musculares.
Cafeína Irritabilidade, nervosismo, entorpecimento intelectual.
Nicotina Irritabilidade e ansiedade, cefaleias (dor de cabeça), secura da boca, obstipação.

Fonte: adaptado de “Casas J. Todo lo que deben saber sobre la drogadicción y otras toxicomanías, De Vecchi, Espanha, 1987″

Nota: os canabinóides, o LSD e o ecstasy têm sintomas de abstinência muitíssimo ligeiros, e apenas em casos raros e extremos.

Caracterização das drogas segundo os efeitos imediatos (positivos e negativos) e efeitos tardios do consumo contínuo

Opiáceos (ex.: heroína) Elimina a ansiedade e depressão, promove a confiança, euforia e extremo bem-estarCólicas abdominais, confusão mental, convulsões, paragem respiratória por inibição dos Centros Respiratórios e, se não houver assistência terapêutica rápida, a morteAnorexia, emagrecimento e desnutrição, obstipação, impotência ou frigidez sexual, esterilidade, demência, confusão e infecções várias (hepatites, Sida, endocardites quando a administração é endovenosa). Documentário da NatGeo sobre Heroína (em inglês).

Benzodiazepinas Elimina a ansiedade e a tensão muscular. Promove a desinibição psicológica e o sono “para dormir e esquecer”Diminuição da coordenação motora, do equilíbrio, hipotensão, bradicárdia, paragem respiratória e morteEmagrecimento, ansiedade, irritabilidade e agressividade, grande labilidade emocional, depressão com risco de suicídio.

ÁlcoolIgual às benzodiazepinasIgual às benzodiazepinasPolineurite, impotência ou frigidez sexual, amnésia, diplopia (visão dupla), cirrose hepática, labilidade emocional, agressividade extrema e demência irreversível (devido à destruição irreversível de células cerebrais).

Inalantes (tintas, lacas, colas, gasolina, solventes, aerossóis, etc.)Igual às benzodiazepinasEmbriaguez, alucinações, diplopia (visão dupla), paragem respiratória, coma e morteDoenças graves do fígado, rim e sangue (leucemias), e demência irreversível.

Anfetaminas/Ecstasy/Cocaína Estado de grande auto-confiança, euforia e energia. Aumento efémero da capacidade de concentração, memorização, rapidez de associação de ideias, maior força muscular e diminuição da fadiga, sono, fome, sede ou frioSecura da boca, suores, febre, hipertensão e arritmias cardíacas, irritabilidade, agressividade, tremores e convulsões, delírios paranóides. A exaustão contínua pode provocar desidratação, problemas cardíacos, renais e morte. A cocaína está frequentemente associada à perfuração do septo nasalEmagrecimento, irritabilidade, delírios paranóides (sensação de ser perseguido por organizações secretas, etc.). A perfuração do septo nasal é uma complicação típica do consumo inalado de cocaína. O ecstasy está raramente associado a crises de flashback.

Canabinóides Elimina a ansiedade e promove sensação de bem-estar, desinibição, maior capacidade de fantasiação, visualização da realidade com mais intensidade (cores e sons mais distintos)Secura da boca, reacções de ansiedade e pânico (paradoxalmente mais comuns em fumadores experientes), agressividade e, excepcionalmente, alucinaçõesPode desencadear uma doença mental (psicose) nos raros indivíduos predispostos. Síndrome “amotivacional” (provavelmente apenas em grandes consumidores predispostos).

Alucinogénios (ex.: LSD) Forte exaltação das percepções sensoriais (cores e sons mais intensos), sinestesias (transferências das impressões de um sentido para outro: ouve-se cores e vê-se sons). Sensação de levitação, despersonalização mística em que o indivíduo se sente unido ao Universo deixando de ser uma unidade individualizadaMá viagem ou “bad trip” em que o consumidor tem sensação intensa de pânico e delírios paranóides que podem durar até cerca de 2 dias. Estas reacções descontrolados provocam ocasionalmente acidentes mortais. Crises psicóticas com delírios e alucinações. Flash-backs ou períodos efémeros nos quais o ex-consumidor volta a sentir os efeitos do consumo até um ano depois de deixar de consumir.

Tabaco Relaxamento psicológico, facilitador da concentraçãoAumento do ritmo cardíaco e hipertensão, tosse e problemas cardíacos e vasculares graves em indivíduos predispostosDoenças pulmonares e cancros. Doenças vasculares (enfarte do miocárdio, acidentes vasculares cerebrais, gangrena dos membros e impotência sexual).

Uma nova droga é o Krokodil, que está matando muitos jovens da Rússia. A droga é uma alternativa barata à heroína. Porém, ela causa necrose no local onde é aplicada, expondo ossos e músculos. O nome vem de uma das consequências mais comuns ao uso, a pele da pessoa passa a ter um tom esverdeado e cheia de escamas, como a de um crocodilo. Ela é a desomorfina, um opióide 8 a 10 vezes mais potente que a morfina. O problema maior nesta droga russa é a maneira como o produto é feito.

O krokodil é feito a partir da codeína, um analgésico opióide que pode ser comprado em qualquer farmácia russa sem receita médica, assim como acontece com analgésicos mais fracos no Brasil. A pessoa sintetiza a droga em uma cozinha usando produtos como gasolina, solvente, ácido hidroclorídrico, iodo e fósforo vermelho, que é obtido de caixas de fósforo comuns, além dos comprimidos de codeína.

Outros países onde a codeína é vendida sem receita são o Canadá, Israel, Austrália, França e Japão. Neles existe um grande risco do krokodil se tornar uma epidemia como a que atinge atualmente a Rússia. Abaixo você verá dois vídeos mostrando os resultados nefastos do uso desta droga.

 No site (http://www.vice.com/pt_br/vice-news/lagrimas-de-krokodil-parte-1) é possível assistir um documentário de como uma cidade na Rússica está se acabando com as drogas, devido ao crescente número de usuários de heroína e o krokodil. ATENÇÃO: As cenas são fortes!

Fonte:

http://www.saudepublica.web.pt/05-promocaosaude/055-toxicodependencia/Dependencias/Efeitosdroga.htm

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s