Química

É a ciência que estuda a matéria, sua composição e suas propriedades, transformações e combinações. O químico analisa substâncias e compostos, identifica suas propriedades e características físico-químicas, como elasticidade, resistência ou toxicidade. Investiga como os compostos reagem às variações de pressão e temperatura, entre outros fatores. Em indústrias químicas, por exemplo, pesquisa e cria novos materiais, controla e supervisiona a produção e aplica testes de qualidade. Entre suas atribuições também estão a elaboração de projetos de instalações industriais e a manutenção de equipamentos. Com licenciatura, pode dar aulas nos ensinos Fundamental e Médio.

Qual é a diferença entre Química e Engenharia Química?

A principal diferença é em relação à área de atuação dos profissionais. Enquanto o químico trabalha basicamente em laboratórios, na realização de experimentos e análises químicas, desenvolvendo materiais e propondo novas reações para obter produtos químicos, o engenheiro químico atua diretamente no desenvolvimento e operação de processos químicos em escala industrial, dimensionando equipamentos e definindo as etapas do processo. Para realizar essas atividades tão distintas, o curso de Química tem um foco maior em disciplinas ligadas às ciências puras, enquanto a engenharia, embora necessite dessas mesmas ciências, trabalha mais com conceitos aplicados aos processos químicos, presentes em disciplinas como fenômenos de transporte e termodinâmica.

Mercado de Trabalho

Os investimentos na indústria química brasileira têm potencial para chegar a 167 bilhões de dólares até 2020 e criar mais de 2 milhões de empregos, de acordo com um estudo da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim). O mesmo estudo avalia que o crescimento econômico do país e as obras do PAC, bem como os preparativos para a Copa do Mundo e para as Olimpíadas, aumentarão a demanda por produtos químicos. O quadro é, portanto, favorável para o químico, tanto nas indústrias de alimentos, cosméticos, tintas e combustíveis baseados em fontes renováveis quanto nos setores farmacêutico, petroquímico, agroindustrial e da moda. “O químico pode, ainda, sair do laboratório e aplicar seus conhecimentos técnicos para atuar na área de marketing, qualidade e vendas”, diz a professora Alessandra Borin, coordenadora do curso da PUC-Campinas. A área ambiental é a que apresenta as melhores expectativas. “A legislação ambiental e a lei de resíduos sólidos devem impulsionar o mercado de trabalho”, afirma Alessandra. Empresas grandes, como a Mercedes-Benz, possuem um departamento próprio para cuidar do reuso da água. Há, ainda, possibilidade de trabalhar em companhias que prestam serviços para grandes indústrias ou até mesmo como autônomo. Biotecnologia e nanotecnologia também estão em alta, especialmente para atuação na indústria farmacêutica. As regiões industriais do Sudeste e Sul concentram a maior parte das vagas. No Rio de Janeiro, o profissional pode trabalhar na área de energia, na Petrobras. No Sul, na indústria de couro. Mas incentivos fiscais têm levado muitas empresas para o Nordeste, sinalizando com ótimas perspectivas. Na Bahia, por exemplo, merece destaque o Polo Industrial de Camaçari. Para quem deseja se dedicar ao ensino, a demanda também é grande. Como há escassez de profissionais para dar aulas em escolas de ensino Fundamental e Médio, há outros licenciados, como biólogos e engenheiros, ocupando essas vagas.

Salário inicial: R$ 3.270,00 (6 horas diárias); fonte: Sindicato dos Químicos e Engenheiros Químicos do Estado do Rio de Janeiro.

Curso

Há muitas opções de bacharelado em todo o país. Todas elas têm formação generalista nas quatro grandes áreas da química – orgânica, inorgânica, analítica e físico-química -, com aulas teóricas e em laboratório. A primeira metade do curso de química é composta de disciplinas básicas: química orgânica e inorgânica, física, cálculo e matemática, fundamentais nas análises das reações. A partir do terceiro ano, opta-se entre química pura e industrial. O estágio é obrigatório e, para dar aulas nos ensinos Fundamental e Médio, é preciso cursar licenciatura. Para atuar na educação superior é necessário ter pós-graduação. Atenção: algumas faculdades oferecem habilitação em química industrial, tecnológica ou ambiental. Outras são voltadas para um setor específico, como alimentos, petróleo ou têxtil. A Unicamp oferece licenciatura integrada em química/física.

Duração média: quatro anos.

Outros nomes: Ciên. (Quím. com Atribuição tecnol.); Quím. Amb.; Quím. com Atribuição Tecnol.; Quím. de Alim.; Quím. Forense; Quím. Ind.; Quím. tecnol.

O que você pode fazer

Ensino

Dar aulas nos ensinos fundamental e Médio e, com pós-graduação, na educação superior.

Meio ambiente

Desenvolver e acompanhar técnicas de tratamento de resíduos industriais, para impedir ou reduzir a poluição de água, ar e solo.

Pesquisa

Trabalhar em universidades, institutos de pesquisa, indústria e órgãos do governo, produzindo testes e publicando artigos científicos.

Química

Forense atuar na área de perícia, realizando testes a partir de evidências como impressão digital e compostos químicos para solução de crimes.

Química industrial

Desenvolver produtos e tecnologias para a indústria. avaliar a viabilidade técnica e econômica de processos de fabricação e gerenciar a linha de produção, coordenando a instalação e a manutenção de equipamentos. aperfeiçoar produtos que passem por tratamento químico.

Fonte: Guia do Estudante

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s