Tags

, , , ,

Olá feras!

blog do Esquadrão está na área de novo e aos poucos manteremos vocês atualizados sobre curiosidades científicas, notícias educativas, dentre outros.

Hoje, a publicação é sobre outras terapias estranhas que se veem por aí. A primeira foi publicada (clique aqui para ler) e dei para entender que existem mais terapias complexas e nojentas do que se imagina. Agora, vai a segunda e parte deste tipo de tratamento bizarro, mas também muito curioso.

Como é feito a larvaterapia?

larvaterapiaO uso de larvas da mosca verejeira Lucilla sericata para a ‘limpeza’ de feridas é uma técnica mais antiga e famosa da bioterapia (Uso de organismos vivos em tratamentos médicos). Popular em alguns países, como no México, onde existe até criação dessas moscas especialmente para o tratamento de ferimentos e úlceras de pele em pessoas com dificuldade de cicatrização, como diabéticos e pacientes que desenvolveram escaras (feridas crônicas) por ficarem muito tempo deitados na cama.

Cerca de 200 larvas, cultivadas livres de germes em laboratório, são colocadas sobre a ferida. O local é protegido por uma gaze e recebe um curativo.

Lá dentro, elas se alimentam exclusivamente de pele necrisada do ferimento. como esses tecidos não tem mais fibras nervosas, o paciente não sente nenhuma dor.

As larvas engordam ao se alimentar da pele morta, sendo trocadas a cada dói ou quatro dias. O tratamento dura dois a seis meses e substitui o uso de antibióticos.

O que é Apinpuntura?

apipunturaUm tratamento feito com o veneno de abelhas melíferas que, segundo os adeptos, tem ação anestésica e anti-inflamatória. Na versão mais radical, o paciente é ferroado, no local infeccionado, pelas próprias abelhas. Mas há versões menos dolorosas, em que o veneno é coletado e usado para a produção de pomadas e soluções injetáveis. O tratamento é indicado para dores em geral, reumatismo, artrite, infecções na pele, doenças oftalmológicas e até câncer.

  • A terapia não é  comprovada cientificamente nem autorizada pelo Ministério da Saúde.

Como é feita a Hirudoterapia?

hirudoterapia

Um verme aquático parente das minhocas, as sanguessuga da espécie Hirudus medicinalis pode ser usada no tratamento de hematomas decorrentes de cirurgias plásticas e reimplantes (de dedos, orelha, etc.) e para tratar a osteoartrite, desgaste das articulações que causa dor e dificuldade de movimento. O verminho suga o sangue do paciente.

O tratamento, surgido há milhares de anos, voltou à moda recentemente e já é adotado por clínicas nos EUA, de Portugal e de Israel.

Fonte: Almanaque das nojeiras – São Paulo: Abril, 2012.(Mundo Estranho).