Tags

, , , ,

Por volta de 1912, o Observatório Nacional começou a fazer, para o porto do Rio de Janeiro, a previsão numérica dos níveis das marés oceânicas, utilizando-se a Máquina de Kelvin, inventada na Inglaterra em 1880. A partir de 1964, as Tábuas de Marés passaram a ser distribuídas pela Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN), órgão da Marinha do Brasil.

Previsor dos níveis de maré do fabricante Kelvin, Bottomley&Biard (Londres-Inglaterra), utilizado pelo Observatório Nacional de 1912 a 1964

Para resgatar essa atribuição histórica que integrou as funções do Observatório Nacional durante 52 anos, a Divisão de Atividades Educacionais do ON desenvolveu um programa, utilizando ferramentas de Astronomia e Geofísica, que mostra os dados oceanográficos das Tábuas de Marés publicadas pela Marinha do Brasil. A aplicação, que tem foco nos valores educacionais, visa simular eventos astronômicos associados ao fenômeno das marés, como a perturbação da Lua e do Sol sobre o nosso planeta.

Com este programa o usuário poderá obter uma visualização tridimensional aproximada das marés dos oceanos, acompanhada de um texto explicativo. O programa, de utilidade pública, é de fácil navegação e pode ser acessado também por dispositivos móveis que possuam navegadores capacitados a executar a tecnologia WebGL.

Para usar o programa acesse: http://daed.on.br/astro/mares