Tags

, , ,

carta de pero vazOriginal da Carta de Pero Vaz de Caminha Durante o século XVI, a Europa vive o Renascimento, época de grandes transformações culturais. Mas enquanto Portugal cultivava a literatura clássica e definia melhor a língua portuguesa através de Camões, o Brasil era apenas objeto da História. Nasceu em pleno Renascimento, mas foi, de início, deixado de lado pelos portugueses ( estes davam preferência às colônias orientais ) e só, pouco a pouco, foi sendo explorado.

Quinhentismo ou também chamada de literatura informativa foi vivido, no Brasil, em meio aos interesses da exploração de riquezas materiais. Assim, exploradores, aventureiros, índios, degredados é que compunham grande parte da população do primeiro século de vida nacional. Havia também alguns poucos intelectuais, os jesuítas, que vinham com a Companhia de Jesus.

A Carta de Pero Vaz de Caminha, escrita em 1500 ao rei Dom Manuel para dar notícias da nova terra, foi considerada a nossa certidão de nascimento. Foi o primeiro documento escrito de que se tem notícia. Veja a carta aqui.

A Literatura de Informação neste período, que vai de 1500 a 1601, não podemos dizer que tivemos textos literários. O que encontramos aqui são apenas textos de informação. Isto é, os aventureiros, entusiasmados com a terra recém-descoberta, deixaram manuscritos informando sobre o gentio, a vegetação, o clima, a fauna e as riquezas. Daí o nome de Literatura de Informação ou crônicas de viajantes.

Além das crônicas dos viajantes, havia também a poesia religiosa cultivada pelos jesuítas no trabalho de catequese. Os representantes mais significativos da poesia jesuítica do quinhentismo brasileiro são: Padre Manuel da Nóbrega e Padre José de Anchieta. Essas poesias eram escritas em Medida Velha ( versos redondilhos ) e de temáticas de influência ainda da Idade Média. Os jesuítas cultivavam também o teatro religioso em que eram encenados trechos da Bíblia, sempre com função pedagógica.

AS CONDIÇÕES PRIMITIVAS DE NOSSA CULTURA FORAM OBSERVADAS PRINCIPALMENTE NOS SEGUINTES TEXTOS:

A Carta de Pero Vaz de Caminha.pero-vaz-de-caminha

História da Província de Santa Cruz a que vulgarmente chamamos Brasil e o de Pero de Magalhães Gândavo.

Diário de Navegação de Pero de Lopes de Sousa.

Tratado Descritivo do Brasil de Gabriel Soares de Sousa.

Diálogo sobre a Conversão dos Gentios do Padre Manuel da Nóbrega.

História do Brasil de Frei Vicente do Salvador.

A Literatura Informativa, além de documentar uma época, serviu como sugestão para temas de outros estilos literários brasileiros. Isso aconteceu sempre que se desejou afirmar uma literatura nacionalista em relação ao excesso de europerização. Os exemplos dessa retomada dos textos informativos como temas vêm desde José de Alencar até Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Murilo Mendes e Caetano Veloso.

Fonte: Literatura Brasileira (Site)