Tags

, , , , , ,

bienal do livro

Olá Feras! Estudando muito?

Então, viemos neste post divulgar a Bienal Internacional do Livro de Pernambuco que será realizado de 4 a 13 de Outubro de 2013, no Centro de Convenções em Olinda-PE.

Com o tema “Literatura, Futebol e Identidades Nacionais”, a Bienal chega a sua 9ª edição e o pavilhão de exposições do Centro de Convenções de Pernambuco volta a ser palco das discussões e debates que fomentam a feira literária referência de Pernambuco.

Nesta nona edição do evento, livreiros, editores e distribuidores de todo o Brasil estarão reunidos mais uma vez, consolidando o Estado como um dos mais importantes pólos literários do país.

Uma estrutura antes só vista em livros

Para estimular o hábito da leitura, a 9º Bienal Internacional do Livro de Pernambuco terá uma extensa programação de palestras, oficinas literárias, bate-papos, apresentações infantis e muitas outras atividades. E tudo isso numa grande estrutura, com espaços exclusivos.

Esses espaços são pensados estrategicamente para tipos diferentes de públicos:

Auditórios Beberibe, Brum e Ribeira

Pela primeira vez utilizados na Bienal, os auditórios Beberibe, Brum e Ribeira receberão uma intensa programação acadêmica desenvolvida por diversas instituições como UNICAP, UFPE, APL, UBE, Clube do Livro Espírita e Colégio Damas. No auditório Ribeira o SESC reeditará o CineSESC, que exibirá filmes sobre a temática de literatura e cidadania em todos os dias do evento.

Círculo das Letras

Aqui as crianças poderão conhecer o mundo dos livros. Serão realizadas apresentações culturais, recitais poéticos e narrações de histórias para crianças de todas as faixas etárias.

Café Cultural

Espaço intimista e informal, sob coordenação da Fafire, onde escritores, jornalistas e professores farão leituras abertas, participarão de debates, minicursos e estabelecerão um contato mais próximo com o público.

Círculo das Ideias

O coração dos debates da Bienal. Por aqui passarão os principais autores convidados do evento, além de contar com uma programação variada de oficinas, seminários e mesas de debates.

Homenageados

A Cia de Eventos tem o prazer de apresentar ao público do 3º maior evento literário do Brasil o nome dos escritores homenageados da 9º Edição da Bienal Internacional do Livro de Pernambuco.

GILVAN LEMOS

Gilvan_Lemos _ Foto Tom CabralConsagrado autor pernambucano de São Bento do Una, mudou-se para o Recife aos 20 anos de idade, em 1949. Dois anos depois escreveria seu primeiro romance, “Noturno sem música”, que só foi publicado em 1956 e veio a receber vários prêmios.

Sua obra é reconhecida como das mais importantes da literatura nacional contemporânea. Entre os principais títulos de Gilvan Lemos, estão: “O anjo do quarto dia”, “Morcego cego”, “Emissários do diabo”, “Os pardais estão voltando” e “A noite dos abraçados”.

Publicou 25 livros (12 romances, 7 livros de contos, 6 novelas). Seu conto “Os que foram lutando” integra uma antologia de autores brasileiros publicada na Alemanha (“Erkundungem – 38 Brasilianische Erzahrer”).

No site oficial do escritor (gilvanlemos.com.br) podemos ler o depoimento sobre sua obra e a arte do romance:

O “pessoal do Sul” acha que sou “regionalista”. Regionalista parelho aos escritores que se tornaram conhecidos a partir de 1930, sei que não sou. Ocorre que escrevo sobre o meio em que vivo. Retrato as pessoas com que convivo, recordo momentos da minha vida no interior… Em suma, escrevo sobre o que conheço, o que sei, o que me emociona. Para mim, o bom romance é o que nos provoca emoções. Detesto romances experimentais, enredos misteriosos, incompreensíveis, jogos de palavras… Acho que isso é coisa de quem não tem o que dizer.

**********

ANTONIO MARIA (in memorian)

Antonio Maria

O cronista, radialista, desenhista e compositor Antônio Maria Araújo de Morais nasceu no Recife no dia 17 de março de 1921 e se mudou para o Rio de Janeiro aos 19 anos, em 1940. Começou a vida como apresentador de programas musicais na Rádio Clube de Pernambuco, e logo depois, já no Rio, como locutor esportivo na Rádio Ipanema.

Maria, como era conhecido, assinou colunas de crônicas diárias para veículos como o Diário Carioca, O Globo, A Última Hora e a revista Manchete. Foi o primeiro diretor de produção da TV Tupi. Compôs jingles para publicidade e dezenas de músicas, algumas em parceria com Vinicius de Moraes.

O “Frevo número 1 do Recife”, que ganhou interpretação antológica de Maria Bethânia, é de sua autoria.

Coletâneas de suas crônicas foram publicadas após a sua morte, em 1964:

– O Jornal de Antônio Maria – Editora Saga/1968 – seleção de Ivan Lessa.
– Com vocês, Antônio Maria – Editora Paz e Terra/1994 – seleção de Alexandra Bertola.
– Benditas sejam as moças: As crônicas de Antônio Maria – Editora Civilização Brasileira/2002 – organização Joaquim Ferreira dos Santos.

Frevo número 1 do Recife

Ô Ô saudade
Saudade tão grande
Saudade que eu sinto
Do Clube das Pás, do Vassouras
Passistas traçando tesouras
Das ruas repletas de lá
Batidas de bombos são maracatus retardados
Chegam da cidade cansados
Com seus estandartes no ar.
Que adianta se o Recife está longe
E a saudade é tão grande
Que eu até me embaraço
Parece que eu vejo Walfrido Cebola no passo
Haroldo, Mathias, Colaço
Recife está dentro de mim.