Tags

, , , , , ,

As aulas do 1º semestre da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), interrompidas há quase quatro meses em função da greve dos professores e servidores federais, serão retomadas na próxima segunda (17) e seguem até o dia 29 de outubro. O calendário acadêmico foi redefinido nesta manhã em reunião realizada pelo Conselho Coordenador de Ensino Pesquisa e Extensão.

Com o novo calendário, de 30 de outubro a 1º de novembro serão realizados os exames finais do 1º semestre. Depois das avaliações, a UFPE fará um recesso que irá de 7 de novembro a 2 de dezembro para transferências internas de matrícula e ingresso extra-vestibular.

As matrículas para o 2º semestre de 2012 serão realizadas entre os dias 22 e 27 de novembro. No dia 3 de dezembro, a UFPE retoma as aulas e segue com o calendário 2012.2 até o dia 23.

De 24 de dezembro a 13 de janeiro de 2013 haverá uma pausa para as festas de fim de ano. As aulas referentes ao ano letivo de 2012 encerram-se no dia 25 de abril de 2013.

Os feras aprovados no Vestibular 2013 da UFPE só devem ingressar na instituição a partir de maio do próximo ano.

O calendário acadêmico para os dois semestres de 2013 será definido pelo Conselho até o final deste ano, para que seja levado em consideração o calendário definido pelo Ministério do Planejamento relativo a feriados nacionais.

Segundo a pró-reitora para Assuntos Acadêmicos, Ana Cabral, as coordenações das graduações que já concluíram o primeiro semestre letivo poderão oferecer disciplinas, como cursos de verão, até o início do 2º semestre, em dezembro.

E a UFRPE, na próxima segunda, 17 de setembro de 2012, realizará um novo encontro para definir que rumo o movimento irá tomar. A greve nestes instituição já dura 121 dias. Apesar de ter cerca de 1.200 professores associados, menos de 100 estavam na sede da Aduferpe no dia 11 de setembro, data da última assembléia. Esta é a mais longa paralisação da história da universidade. Os professores reivindicam reajuste salarial, reestruturação de carreira, melhoria nos laboratórios e investimento no campus e nas extensões da Universidade.

Fonte: NE10.