Tags

, , , , , ,

Cometer gafes assaltando a gramática não pega bem para ninguém. Para evitar os piores e mais comuns erros cometidos por profissionais de todos os níveis veja – e memorize – estas lições. Afinal, você não suou tanto para chegar até aqui e perder uma oportunidade profissional por falar ou escrever errado, né?

1 – Verbo concorda com sujeito 

“A nova geração de estagiários e trainees ESTÃO conquistando seu espaço no ambiente corporativo.”

A nova geração de estagiários e trainees ESTÁ conquistando seu espaço no ambiente corporativo.

Você se lembra do sujeito, aquele cara que aparecia nas aulas de gramática só de sacanagem para confundir tudo? Pois é, se você perdeu a oportunidade de conhecer o sujeito da oração e o núcleo do sujeito naquela época, vai ter de se conformar em ser apresentado para eles agora. Saber quem é o sujeito de uma frase é essencial para não cometer erros terríveis como este: “A nova geração estão conquistando”. Para não cometer gafes assim, descubra qual é o número do sujeito e lembre de que o verbo deve sempre concordar com ele.

2 – Há três anos, há um ano, há mil anos

Errado Moro aqui Á 3 anos.

Certo Moro aqui 3 anos.

A frase indica tempo passado? Então use há (sempre com H e acento agudo). A regra não é das mais simples, mas vamos lá. Haver, quando indica tempo passado, é um verbo sem sujeito. Como verbo sempre concorda com sujeito, quando não há sujeito, o verbo não concorda com nada. Fica sempre na terceira pessoa do singular. Portanto, nada de querer exagerar e soltar um assustador “Eu moro aqui hão 3 anos”, hein?!

3 – Quando o “a” indica distância ele não é “haver”

“Estou dois quarteirões de você.”

Estou A dois quarteirões de você.”

Sempre que quiser indicar distância, utilize o “a” simples, sem acento e sozinho.

4 – A gente é singular

“A gente TERMINAMOS o relatório hoje.”

A gente TERMINOU o relatório hoje.

A “gente vamos” é tão cruel quanto “nós vai”. A gente é singular, mesmo que dê ideia de coletivo. Portanto, a gente vai para qualquer lugar desde nós também possamos ir. Sacou?😉

5 – Mim não faz nada

“Ela falou para MIM fazer tudo isso de uma vez.”

Ela falou para EU fazer tudo isso de uma vez.

Erro tenebroso de quem não lembra que MIM não faz nada, é pau mandado. Você diz “Mim vai almoçar”? Claro que não. Então também não pode dizer “Para mim fazer alguma coisa”. Isso porque “mim” jamais pode ser o sujeito da oração. Ele só vale como objeto, por exemplo: “Ele fez o bolo para mim.”

6 – Nós nos encontramos e eles se encontram

“Legal, vamos SE encontrar, sim.”

Certo Legal, vamos NOS encontrar, sim.

Se você cometer esse erro é bem provável que alguém desista do encontro. Lembra dos pronomes reflexivos? Vamos lá… Eu me encontro, Tu te encontras, Ele(Você) se encontra, Nós nos encontramos, Vós vos encontrais, Eles(Vocês) se encontram. Da próxima vez, capriche mais no convite, ok?

7 – Haver no sentido de existir fica sempre no singular

HOUVERAM dez respostas.”

HOUVE dez respostas.

Quando fala do presente, você diz “Hão dez respostas”? Aposto que não… Então por que é que tanta gente insiste em fazer isso com o verbo quando ele vai para o pretérito ou para o futuro? Houver no sentido de existir também não tem sujeito, como o haver quando indica tempo. Portanto, ele fica sempre na terceira pessoa do singular. Há dez respostas, houve dez respostas, haverá dez respostas.

8 – Existir tem sujeito

EXISTE dez respostas.”

EXISTEM dez respostas.

Parece pegadinha, mas não é. Existir tem sujeito, ao contrário do verbo haver no sentido de existir, da lição número 7. A regra, então, é flexionar sempre. Existem dez respostas, existiram dez respostas e existirão dez respostas.

9 – Faz um ano, faz mil anos

FAZEM dez anos que eu digo isso.”

FAZ dez anos que eu digo isso.

Faz, quando indica tempo, é sempre singular. Faz um ano ou faz mil anos, tanto faz.😉 É a regra do verbo sem sujeito… Lembra? Quem não tem sujeito não flexiona… Atenção, a regra muda totalmente quando você utilizar “passar” no sentido de tempo. Ele tem verbo e é flexionado. Por exemplo: “Passou um ano desde que vim aqui” e  Passaram dez anos desde que vim aqui.”

 

10 – Sujeito é sujeito mesmo quando vem depois do verbo

SEGUE as três regras principais para falar bem.”

SEGUEM as três regras principais para falar bem.

Muita gente comete esse erro porque o verbo vem antes do sujeito. Lembre-se: onde quer que esteja o sujeito da oração, é ele quem manda no verbo. Se ele for plural, o verbo deve estar no plural. Se ele for singular, o verbo fica no singular. Assim: “Segue o relatório.”

11 – Subjuntivo existe para ser usado

“Quer que eu PEGO um café?”

Quer que eu PEGUE um café?

Pode parecer bonitinho mas dizer “Quer que eu pego” pega mal. O correto é usar o presente do subjuntivo… Lembra como conjugar? Que eu pegue, que tu pegues, que ele pegue… e por aí vai. A regra é a mesma para todos os verbos. Ou seja.. nada de “Quer que eu faço”, também, ta?

 

12 – Use “através” com moderação

“Eu me desenvolvo ATRAVÉS dos programas oferecidos pela empresa.”

Eu me desenvolvo POR MEIO dos programas oferecidos pela empresa.

“Através” significa “por dentro de”, “de um lado a outro”, “ao longo de”. Ele deve ser utilizado apenas quando a ideia for de “atravessar” alguma coisa. Por exemplo: “A luz entrou através da fresta da janela”, “Eu vi através do vidro” ou “Ela quer viajar através do país”. Para os outros casos, utilize “por meio de”.  Mesmo que todo mundo fale errado, não custa nada você falar certo.

 

13 – Ser assertivo não quer dizer acertar tudo

“Suas respostas foram ASSERTIVAS, você não errou nenhuma questão.”

Suas respostas foram CERTAS, você não errou nenhuma questão.

Quem quer enfeitar um “acerto” dizendo que foi “assertivo” está cometendo uma gafe e tanto… Assertivo é o que tem caráter de asserto – com SS – que significa “afirmação”. Ser assertivo significa apenas que a pessoa é direta, objetiva, fala sem rodeios. De forma alguma significa que ela falou uma coisa certa. Para dizer que acertou alguma coisa, diga “correto” ou “acertado”.

 

14 – Procura-se, procuram-se

PROCURA-SE profissionais competentes.”

PROCURAM-SE profissionais competentes.

Para saber se o verbo dessa frase fica no plural ou no singular, construa pelo caminho inverso. Profissionais competentes são procurados. Logo: procuram-se profissionais. Já se apenas um profissional for procurado, o verbo fica no singular. Procura-se profissional competente.

 

15 – Gratuito não tem acento

“O evento é GRATUÍTO.

O evento é GRATUITO.

É muito comum ouvir alguém dizer que o evento é gratuíto, como se a palavra tivesse acento agudo no “i”. Está errado. Gratuito não tem acento e, por isso, o correto é falar com a sílaba tônica no “u”, como se fosse gratúito.

 

16 – A conjugação do verbo manter segue a do verbo ter

“Se ele MANTER o acordo.”

Se ele MANTIVER o acordo.

Para acertar a conjugação do verbo “manter”, conjugue o verbo “ter” e apenas coloque o “man” na frente. Seu tiver = se eu (man)tiver, e por aí vai.

 

17 – A conjugação do verbo propor segue a do verbo por

“Quando eles PROPOREM o valor.”

Quando eles PROPUSEREM o valor.

A conjugação do verbo propor segue a regra do verbo “por”. Se eu puser = se eu propuser…

 

18 – Por que na pergunta, porque na resposta

PORQUE você não vem aqui?”

POR QUE você não vem aqui?

Use “por que” separado no início de uma pergunta. Use porque junto na resposta, por exemplo: “Eu não vou porque estou cansado”. E use “Por quê” separado e com acento quando ele estiver sozinho ou no fim da pergunta. Assim: “Você acredita nisso? Por quê?”.

 

19 – Por qual motivo = por que

“Eu não sei PORQUE ela não veio.”

Eu não sei POR QUE ela não veio.

Use “por que” separado e sem acento sempre que ele puder ser substituído por “por qual motivo”. Na frase acima: Eu não sei por qual motivo ela não veio.

 

20 – O porquê tem acento

“Não entendi o PORQUE de tanta confusão.”

Não entendi o PORQUÊ de tanta confusão.

Use “porquê” junto e com acento quando ele puder ser substituído por “motivo”. Eu não sei o motivo de tanta confusão.

 

21 – Desaperceber não é o mesmo que ignorar

“O fato passou DESAPERCEBIDO para a maioria das pessoas.”

O fato passou DESPERCEBIDO para a maioria das pessoas.

Se você acha que está falando bonito ao dizer “desapercebido”, provavelmente não percebeu nada mesmo… Desapercebido significa desprevinido, despreparado, desprovido. Quando uma coisa acontece e não é notada por ninguém, o certo é dizer que ela passou despercebida.

Fonte: http://msn.clickcarreira.com.br/querocrescer/2012/4/10/3644/21-licoes-de-portugues-que-todo-profissional-precisa-saber-.html