Tags

, , ,

       Em 1905, Albert Einstein publicou um artigo intitulado “Sobre a Eletrodinâmica dos Corpos em Movimento”, no qual ele formulou os dois postulados básicos da teoria da relatividade restrita. O primeiro postulado, nega a existência de um referencial absoluto em todo o universo:

“As leis da Física são as mesmas para todos os observadores em qualquer referência inicial

O segundo postulado, conhecido como princípio da cosntância da velocidade da luz, estabelece que:

“A velocidade da luz no vácuo tem o mesmo valor para todos os observadores, qualquer que seja o seu movimento ou da fonte luminosa.”

Desde a formação desses príncipios inúmeras comprovações experimentais tem sido obtidas, inclusive suas consequencias tais como a impossibilidade de sabermos se dois eventos ocorrem ou não ao mesmo tempo e a dilatação do tempo para corpos em movimento.

ENERGIA RELATIVÍSTICA

Na Física Clássica, associamos a energia de um corpo em movimento como sendo a Energia cinética ( Ec = mv²/2) que está diretamente associada ao movimento ou a velocidade do corpo. Como a massa relativística de um corpo varia com a velocidade, então pode-se adaptar a energia cinética relativística á essas novas condições.

De acordo com a teoria da relatividade, a equivalência entre massa e energia é expressa pela equação:

Onde c é a velocidade da luz no vácuo. A interpretação dessa equação nos mostra que mesmo em repouso, um corpor apresenta energia. Essa energia de repouso é obtida miltiplicando-se a massa de repouso pelo quadrado da velocidade da luz. Outra consequencia dessa equação é que a energia cinética de partículas a velocidades elevadas se transforma em massa e, reciprocamente, uma pequena quantidade de massa pode se tornar uma enorme quantidade de energia. Foi esse raciocínio que levou a construção da bomba atômica e posteriormente à invenção dos reatores nucleares.