LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS

O que é interpretar textos? De onde vem a importância de interpretar textos?

 Há muito tempo se discute sobre “analfabetismo”, e os seus níveis. Logo se chegou a conclusão de que “ alfabetizado”  é aquele que consegue escrever, ler e interpretar textos; identificando entre estes, os modelos de  comparação, paráfrases, paródias, entre outros.

Assim, hoje, a leitura e interpretação além de ser um dos indicadores mais importantes nas provas do ENEM, elas atestam o seu grau de instrução e competência leitora.

Para interpretar textos com sucesso, é preciso:

  1. LER E CONHECER DIVERSOS TIPOS E GÊNEROS TEXTUAIS: Diferenciando textos: VERBAIS, NÃO-VERBAIS E MITOS:

GÊNEROS TEXTUAIS – São incontáveis os gêneros textuais e, o tempo todo, escolhemos diversos deles para diversas práticas sociais, seguindo sempre a necessidade temática, a relação entre os interlocutores e a vontade enunciativa. Enquadram-se nesse rol de práticas comunicativas: diálogo face-a-face, bilhete, carta (pessoal, comercial etc), receita culinária, horóscopo, artigo, romance, conto, novela, cardápio de restaurante, lista de compras, aula virtual, piada, resenha, inquérito policial, ofício, requerimento, ata, relatório etc. Hoje, com a “cultura eletrônica”, surgem novos gêneros textuais e novas formas de comunicação (oral ou escrita) como o bate-papo on-line (MSN), blog, twitter (micro blog), Orkut, Facebook, mensagens SMS (celular) etc. Toda essa dinâmica é confirmada quando Marcuschi diz: “(…) os gêneros textuais são fenômenos históricos, profundamente vinculados à vida cultural e social”.

TIPOS TEXTUAIS – – os tipos textuais são limitados em número, são construções textuais teóricas com aspectos sintáticos, lexicais, gramaticais, e com atenção especial aos tempos verbais, uso de advérbios etc.

Narrativo –Modalidade em que se conta um fato, fictício ou não, que ocorreu num determinado tempo e lugar, envolvendo certos personagens. Ex: Era meia-noite quando o policial percebeu dois homens entrarem na casa.

Descritivo – Um texto em que se faz um retrato por escrito de um lugar, uma pessoa, um animal ou um objeto. Ex: O garoto, com bastante medo, tremia e suava frio. A casa onde ele se escondia era bastante velha e grande e estava às escuras.

Expositivo – Apresenta informações sobre assuntos, expõe ideias; explica, avalia, reflete. (analisa ideias). Ex: A história do celular é recente, mas remonta ao passado – e às telas de cinema.

Injuntivo – Indica como realizar uma ação

Argumentativo – é o texto em que defendemos uma idéia, opinião ou ponto de vista, uma tese, procurando (por todos os meios) fazer com que nosso ouvinte/leitor aceite-a, creia nela.

2.TEXTO E CONTEXTO:

ANALISAR,
COMPARAR, INFERIR, DEDUZIR, CONCLUIR, INTERPRETAR

Vamos treinar:

1) Antigamente Acontecia o indivíduo apanhar constipação; ficando perrengue, mandava o próprio chamar o doutor e, depois, ir à botica para aviar a receita, de cápsulas ou pílulas fedorentas. Doença nefasta era a phtísica, feia era o gálico. Antigamente, os sobrados tinham assombrações, os meninos, lombrigas (…)

Carlos Drummond de Andrade. Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: Companhia José Aguilar, p.1.184.

O texto acima está escrito em linguagem de uma época passada. Observe uma outra versão, em linguagem atual.

Antigamente Acontecia o indivíduo apanhar um resfriado; ficando mal, mandava o próprio chamar o doutor e, depois,ir à farmácia para aviar a receita, de cápsulas ou pílulas fedorentas. Doença nefasta era a tuberculose, feia era a sífilis. Antigamente,
os sobrados tinham assombrações, os meninos, vermes (…)

Comparando-se esses dois textos, verifica-se que, na segunda versão, houve mudanças relativas a:

A vocabulário.

B construções sintáticas.

C pontuação.

D fonética.

E regência verbal.

2) Leia os textos abaixo:

I – A situação de um trabalhador

Paulo Henrique de Jesus está há quatro meses desempregado. Com o Ensino Médio completo, ou seja, 11 anos de estudo, ele perdeu a vaga que preenchia há oito anos de encarregado numa transportadora de valores, ganhando R$800,00. Desde então, e com 50 currículos já distribuídos, só encontra oferta para ganhar R$300,00, um salário mínimo. Ele aceitou trabalhar por esse valor, sem carteira assinada, como garçom numa casa de festas para fazer frente às despesas.

(O Globo, 20/07/2005.)

II – Uma interpretação sobre o acesso ao mercado de trabalho

Atualmente, a baixa qualificação da mão-de-obra é um dos responsáveis pelo desemprego no Brasil. A relação que se estabelece entre a situação (I) e a interpretação (II) e a razão para essa relação aparece em:

(A) II explica I – Nos níveis de escolaridade mais baixos há dificuldade de acesso ao mercado de trabalho.

(B) I reforça II – Os avanços tecnológicos da Terceira Revolução Industrial garantem somente o acesso ao trabalho para aqueles de formação em nível superior.

(C) I desmente II – O mundo globalizado promoveu desemprego especialmente para pessoas entre 10 e 15 anos de estudo.

(D) II justifica I – O desemprego estrutural leva a exclusão de trabalhadores com escolaridade de nível médio incompleto.

(E) II complementa I – O longo período de baixo crescimento econômico acirrou a competição, e pessoas de maior escolaridade passam a aceitar funções que não correspondem a sua formação.

3) Álcool, crescimento e pobreza O lavrador de Ribeirão Preto recebe em média R$ 2,50 por tonelada de cana cortada. Nos anos 80, esse trabalhador cortava cinco toneladas de cana por dia. A mecanização da colheita o obrigou a ser mais produtivo. O corta-cana derruba agora oito toneladas por dia. O trabalhador deve cortar a cana rente ao chão, encurvado. Usa roupas mal-ajambradas, quentes, que lhe cobrem o corpo, para que não seja lanhado pelas folhas da planta. O excesso de trabalho causa a birola: tontura, desmaio, cãibra, convulsão. A fim de agüentar dores e cansaço, esse trabalhador toma drogas e soluções de glicose, quando não farinha mesmo. Tem aumentado o número de mortes por exaustão nos canaviais. O setor da cana produz hoje uns 3,5% do PIB. Exporta US$ 8 bilhões. Gera toda a energia elétrica que consome e ainda vende excedentes. A indústria de São Paulo contrata cientistas e engenheiros para desenvolver máquinas e equipamentos mais eficientes para as usinas de álcool. As pesquisas, privada e pública, na área agrícola (cana, laranja, eucalipto etc.) desenvolvem a bioquímica e a genética no país.

Folha de S. Paulo, 11/3/2007 (com adaptações).

01. ÁLCOOL: O MUNDO DE OLHO EM NOSSA TECNOLOGIA

Confrontando-se as informações do texto com as da charge acima, conclui-se que:

A) a charge contradiz o texto ao mostrar que o Brasil possui tecnologia avançada no setor agrícola.

B) a charge e o texto abordam, a respeito da cana-de-açúcar brasileira, duas realidades distintas e sem relação entre si.

C) o texto e a charge consideram a agricultura brasileira avançada, do ponto de vista tecnológico.

D) a charge mostra o cotidiano do trabalhador, e o texto defende o fim da mecanização da produção da cana-de-açúcar no setor sucroalcooleiro.

E) o texto mostra disparidades na agricultura brasileira, na qual convivem alta tecnologia e condições precárias de trabalho, que a charge ironiza.

PRODUÇÃO DE TEXTO

 NÃO ENLOUQUEÇA: Vamos aprender a fazer redação.

Mandamentos de uma boa redação

1-    Nunca esnobe – escrever difícil não é mostrar que é bom;

2-     Palavrão – Nunca;

3-    Criticar Universidade, autoridades e instituições – Nunca;

4-    Ser negativista – demais estraga;

5-    Letra grande demais – Nunca;

6-    Gíria – Nunca;

7-    Encher linguiça – Nunca.

TIRE O MEDO DE COMEÇAR:
Comece por:

1-    Citação: o assunto sobre … pode ser analisado … quando se afirma que …

2-    Pergunta – Ex: A educação escolar  do jovem brasileiro, por si só, possibilita garantia de futuro?;

3-    Dado geográfico – Ex: Em Criciúma Santa Catarina, oito mil jovens vivem uma aventura todos os dias: a aventura de entrar nas minas do carvão.

4-    Dado estatístico: Nas universidades públicas no Brasil 70% das vagas estão nas mãos da elite.

O SEGREDO É: COESÃO E COERÊNCIA

COERÊNCIA: É escrever com clareza

COESÃO: Unir o texto através das conjunções/conectivos:

Causa, consequência,
explicação
:
por conseguinte, por isso, de fato, pois, já que, de tal forma;

  • Contraste, oposição,
    restrição
    :
    exceto, salvo, todavia, mas, pelo menos, contrário, contudo;
  • Adição, continuidade: por outro lado,
    também, e, nem, não apenas, além disso, outrossim;
  • Semelhança,
    comparação, conformidade
    : segundo, conforme, igualmente, semelhantemente, por
    analogia, de acordo, do mesmo modo, de maneira idêntica;
  • Prioridade: principalmente,
    sobretudo, acima de tudo, em primeiro lugar;
  • Condição, Hipótese: Se caso;
  • Alternativa,
    escolha: ou, ora, quer;
  • Surpresa: de repente,
    inesperadamente, de súbito;
  • Conclusão, resumo: em síntese, em
    súmula, dessa forma, logo, pois, enfim;
  • Dúvida: quem sabe, é
    provável, talvez, possivelmente, quiçá;
  • Certeza, ênfase: certamente, sem
    dúvida, inegavelmente, com toda certeza;
  • Propósito, finalidade: a fim de que, com o
    fim de, para que, de.

Profª Elisabete Menezes

compartilhe no facebook

2 opiniões sobre “LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS”

  1. Excelente forma de ensinar redação, bem descontraída e descomplicada. Parabéns! Vou usar em minhas aulas. Pode deixar que não deixarei de citar a fonte.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 116 outros seguidores